No início do século XX, o Sagrado Coração de Jesus apareceu na França, a Ir. Josefa Menendez e lhe revelou todo seu amor pelas almas. Entre muitas aparições e diálogos, o Senhor Jesus disse: A todos venho dizer: se quereis felicidade, Eu sou Felicidade. Se procurais riqueza, Eu sou a Riqueza infinita. Se desejais Paz, Eu sou a Paz. Sou a Misericórdia e o Amor! Quero ser o Rei!

Misericórdia! Esta palavra saída dos lábios adoráveis de Cristo ressoaram por todo o mundo por anos. Porém, repetiu-se de modo mais forte alguns anos depois destas aparições a Ir. Josefa Menendez. A quem seria? Qual a mensagem de Jesus Misericordioso?


Secretária do Mistério da Misericórdia

Desta vez, Jesus aparece na Polônia, à Ir. Faustina Kowalska, jovem religiosa da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, nascida na aldeia de Glogowiec – Polônia, no dia 25 de agosto de 1905. Logo após atravessar um longo período de provações físicas, morais e espirituais o próprio Senhor apareceu diversas vezes a partir de 22 de fevereiro 1931.

Em seu diário ela escreve: “Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e outro branco. (…) Logo depois, Jesus me disse: Pinta uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós” (D. 47). O famoso diário de Santa Faustina é um verdadeiro tratado de Amor e Misericórdia. Ele é tão importante que o próprio Filho de Deus disse dele: “Secretária do Meu mais profundo mistério, deves saber que estás em exclusiva intimidade Comigo. A tua tarefa é escrever tudo que te dou a conhecer sobre a Minha misericórdia para o proveito das almas, que lendo estes escritos experimentarão consolo na alma e terão coragem de se aproximar de Mim. E, por isso, desejo que dediques todos os momentos livres a escrever” (Diário, 1693).

>>> Clique aqui e deixe suas intenções para a Santa Missa <<<


Nossas ações valem de acordo com o amor

A Divina Misericórdia nos ensina o que é grandeza de alma. Não são grandes ações, grandes atos, mas sim, um grande amor. É o amor que dá valor e grandeza a nossos atos, pois, mesmo que nossas ações sejam simplórias, banais por si mesmas, é o amor que as transforma e por isso passam a valer muito diante de Deus. E é a humildade que nos faz amar muito.

“Quando a alma se aprofunda no abismo da sua miséria, Deus utiliza-se de Sua onipotência para elevá-la. Se existe na Terra uma alma verdadeiramente feliz, é apenas a alma verdadeiramente humilde. De início, devido ao amor próprio, sofre muito, mas Deus, após o corajoso combate, concede à alma muitas luzes, pelas quais ela conhece como tudo é desprezível e cheio de ilusão” (Diário, 593).

“… se a alma sinceramente ama a Deus e está unida com Ele interiormente, ainda que exteriormente se encontre em condições difíceis, nada consegue perturbar o seu interior e, mesmo no meio da corrupção, pode permanecer pura e íntegra, porque o grande amor a Deus lhe dá força para a luta, e também Deus a defende de maneira especial, até milagrosamente, se O ama sinceramente” (Diário, 1094).


Visão do Inferno

Santa Faustina, a Mensageira da Misericórdia relata em seu diário: “… conduzida por um Anjo, fui levada às profundezas do Inferno. (…) Eu teria morrido vendo aqueles terríveis castigos, se não me sustentasse o poder de Deus. Que o pecador saiba que será atormentado com o sentido com que pecou, por toda a eternidade. Estou escrevendo isso por ordem de Deus, para que nenhuma alma queira enganar-se dizendo que não há Inferno, ou que ninguém esteve lá e não sabe como é. Percebi uma coisa: o maior número das almas que lá estão é justamente daqueles que não acreditavam que o Inferno existisse. Quando voltei a mim, não podia me refazer do terror de ver como as almas sofrem terrivelmente ali e, por isso, rezo com mais fervor ainda pela conversão dos pecadores” (Diário, 741).


Visão do Purgatório

Em outra ocasião escreveu, “Encontrei-me num lugar enevoado, cheio de fogo e, dentro deste, uma grande multidão de almas que sofriam. Essas almas rezavam fervorosamente, mas sem lucro para si mesmas; apenas nós podemos ajudá-las. (…) O maior sofrimento delas era o anseio de ir para Deus. Vi Nossa Senhora que visitava as almas no Purgatório. As almas chamam a Maria “Estrela do Mar.” Ela lhes traz alívio” (Diário, 20).

>>> Receba um terço em sua casa e reze diariamente pelas almas do purgatório! <<<


Visão do Paraíso

E depois escreve: “… Hoje estive em espírito no Céu e vi as belezas inconcebíveis e a felicidade que nos espera depois da morte. Vi como todas as criaturas louvam e glorificam incessantemente a Deus. Vi como é grande a felicidade em Deus, que se derrama sobre todas as criaturas, tornando-as felizes: e então toda a glória e honra procedente da felicidade voltam à sua fonte e penetram na profundeza de Deus, contemplando a Sua vida interior. (…) Essa Fonte de felicidade é imutável em sua essência, mas sempre nova, jorrando para a felicidade de toda criatura” (Diário, 777).


Semana Santa de 1935

Na quinta feira Santa de 1935 Jesus Misericordioso revela a Santa Faustina o desejo de que Ela se oferecesse como vítima pelos pecadores. A religiosa imediatamente consagra-se oferecendo-se pelos pecadores. No dia 5 de Outubro de 1938, às 22:45, A Mensageira da Misericórdia fechou os olhos para este mundo e compareceu diante do Justo Juiz que lhe concedeu a recompensa demasiadamente grande.


Domingo da Misericórdia

No ano 2000, o Papa São João Paulo II canonizou Santa Faustina e durante a homilia disse: “É importante, então, que acolhamos inteiramente a mensagem que nos vem da palavra de Deus neste segundo Domingo de Páscoa, que de agora em diante na Igreja inteira tomará o nome de ‘Domingo da Divina Misericórdia’” (Homilia, 30/04/2000). Desde então, o Segundo Domingo da Páscoa ficou conhecido como o Domingo da Divina Misericórdia.

A cada segundo domingo da Páscoa, as palavras do Divino Mestre nos recordam: “Fala ao mundo da Minha misericórdia, que toda a humanidade conheça a Minha insondável misericórdia. Este é o sinal para os últimos tempos; depois dele virá o dia da justiça. Enquanto é tempo, recorram à fonte da Minha misericórdia” (Diário, 848).


Faça parte desta evangelização digital! Clique e receba nossos conteúdos evangelizadores por email e por correio!

Quero Fazer Parte!