Domingo Laetare – Domingo da alegria

Domingo Laetare. A Antífona do quarto domingo da quaresma canta: “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações” (lætare, Ierusalem, et conventum facite omnes qui diligites eam; gaudete cum lætitia, qui in tristitia fuistis; ut exsultetis, et satiemini ab uberibus consolationis vestræ.) (cf. Is 66,10-11)

Receba em sua casa um lindo Terço Lilás! Clique aqui e veja como.

Assim é chamado o domingo da quarta semana da quaresma. Seu nome vem da primeira palavra do introito – ou antífona de entrada – deste dia. Assim como o terceiro domingo do Advento (Gaudete), a Igreja expressa o desejo de estarmos todos alegres neste período de penitência e demonstra este convite em toda liturgia. Os paramentos são róseos, flores no altar o som do órgão, etc.

Um descanso em meio ao jejum

É lei humana procurar um breve descanso quando o período de trabalho é prolongado. Por isso, a Igreja, em meio ao rigor da quaresma, concede um dia de repouso. E esta data é especialmente solene e se reveste de inusitada alegria para que fortalecendo os fiéis, lhe comunique novas forças.

Por isso, Bento XVI explica: “Este quarto domingo de Quaresma, tradicionalmente designado como domingo ‘Laetare’, está repleto de uma alegria que de certa forma atenua o clima penitencial deste tempo santo: “Alegra-te Jerusalém diz a Igreja no cântico de entrada Exultai e rejubilai, vós que vivíeis na tristeza”. A este convite contido na antífona da entrada faz eco o refrão do Salmo responsorial: ‘A tua recordação, ó Senhor, é a nossa alegria’. Pensar em Deus dá alegria. É espontâneo perguntar: mas qual é o motivo pelo qual devemos nos alegrar? Certamente um motivo é o aproximar-se da Páscoa, cuja previsão nos faz pregustar a alegria do encontro com Cristo ressuscitado.” (Bento XVI, homilia de 26 março de 2006)

Por que Alegria?

O escritor Chesterton disse uma vez: “a alegria é a grande arma do católico”. E devemos nos alegrar verdadeiramente pois, como nos ensina São Paulo “Deus, rico em misericórdia, pelo amor imenso com que nos amou, precisamente a nós que estávamos mortos pelas nossas faltas, deu-nos a vida com Cristo” (Ef 2, 4-5).

Em meio à penitência da quaresma temos este refrigério, esta pausa na penitência, porém, “no centro da nossa meditação deve estar a Cruz; nela contemplamos a glória do Senhor que resplandece no corpo martirizado de Jesus. Precisamente nesta doação total de si sobressai a grandeza de Deus, sobressai o seu ser amor. É a glória do Crucificado que cada cristão está chamado a compreender, a viver e a testemunhar com a sua existência.” (Bento XVI, homilia de 26 março de 2006)

O Domingo da Rosa

O Domingo Laetare é conhecido como o domingo róseo (devido a cor dos paramentos, do mesmo modo que o terceiro domingo do advento, chamado de Gaudete). Mas também é chamado de o “Domingo da Rosa”.

As primeiras referências que temos da história da Rosa de Ouro são do pontificado do Papa Leão IX (1049-1054), embora alguns autores acreditam que o costume é anterior a Carlos Magno (742-814).

Era costume o Papa abençoar uma rosa de ouro, levá-la em procissão até a Igreja da Santa Cruz de Jerusalém para ser entregue, após a missa, ao prefeito de Roma. Com o passar do tempo este presente tornou-se uma forma de honrar soberanos e pessoas ilustre a quem se queria honrar sua piedade e amor à Igreja, como, por exemplo, a princesa Isabel, filha de Dom Pedro II que a recebeu em 1888 do Papa Leão XIII, por ocasião da libertação dos escravos.

Atualmente os papas costumam presentar santuários de grande importância para a piedade popular com a honra da Rosa de Ouro.

Receba em sua casa um lindo Terço Lilás! Clique aqui e veja como.

Um exemplo é a Basílica de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

Em 1967, quando se celebrou os 250 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, o papa Paulo VI enviou a primeira rosa de ouro. Na ocasião ele enviou esta mensagem ao povo brasileiro:

Queridos filhos do Brasil!

Acabamos de benzer a Rosa de Ouro, destinada ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida e temos agora a imensa satisfação de dirigir uma palavra ao dileto povo brasileiro, aqui tão distintamente representado.

Dizei a todos os brasileiros, que esta flor é a expressão mais espontânea do afeto que temos por esse grande povo que nasceu sob o signo da Cruz. No Santuário de Nossa Senhora Aparecida, ela dará testemunho de Nossa constante oração à Virgem Santíssima para que interceda junto do Seu Filho pelo progresso espiritual e material do Brasil.

Nós conhecemos muito bem, queridos filhos, o vosso amor à Mãe do Céu. Seguimos bem de perto a campanha pela reza do terço em família. (…) Os laços sagrados e indissolúveis do matrimonio, fonte fecunda de um amor perene são assim sublimados pela oração no lar. Que Nossa Senhora seja sempre a vossa guia.

Uma segunda rosa foi entregue pessoalmente por Bento XVI a Nossa Senhora Aparecida, durante a visita de Sua Santidade ao Brasil em 2007. E, finalmente, em 2017, uma terceira rosa de ouro enviada por Francisco.

Convite

O Domingo Laetare nos convida a tomarmos um “moderado refrigério”. Todavia, nos falta muito caminho a percorrer. Temos de seguir os passos de Cristo até o Sábado Santo, temos de subir o calvário com Ele e para isso continuemos nosso jejum, nossa oração e nossas boas obras.

Devemos ser testemunhas do amor de Deus pela humanidade. Aquele amor que é o verdadeiro segredo da alegria cristã. Dirigindo o olhar para Maria, “Mãe da santa alegria”, pedimos-lhe que nos ajude a aprofundar as razões da nossa fé, para que, como nos exorta hoje a liturgia, renovados no espírito e com o coração rejubilante correspondamos ao amor de Deus eterno e desmedido. Amém!

(Bento XVI, homilia de 26 março de 2006)


Ajude-nos em nossa missão de evangelizar e ajudar os mais necessitados! Ajude-nos a ajudar!