Nossa Senhora das Dores – Ninguém foge dos sofrimentos

Nossa Senhora das Dores. A dor é uma lei universal que abrange todos os homens sem exceção e não há meio de fugir delas. Ela nos espera onde menos esperamos, e muitas vezes em momentos de grandes alegrias.

Com efeito, Jesus quis ser o Homem das dores e sua Mãe a Rainha dos Mártires, a Senhora das Dores. Estes são os modelos, os únicos que aliviam com seu exemplo o nosso sofrimento e nos ensinam a santificar-nos com ele.

“Bem aventurados os que choram, os que sofrem, os que padecem”. Cristo uniu sua Mãe a todas as suas glórias e grandezas e por isso a fez sua companheira de todos os seus sofrimentos. Imaginemos o quanto sofreu Maria aos pés da cruz, mas… quão grande é Maria aos pés da cruz!

Pensemos nas dores de Maria Santíssima. O quanto sofreu com a ingratidão, a traição, o abandono, o desamor de que foi objeto o seu Filho. Belém, Egito, Nazaré, Jerusalém, o presépio, o Calvário, o templo e o palácio de Herodes. Todos são lugares onde o coração de Mãe se despedaçou tantas vezes!

Reze o Terço! Alcance a paz! Clique e veja como receber em sua casa.

 

A Festa da Mãe Dolorosa

No dia 15 de setembro a Igreja honra a Virgem Santa Maria sob o título de Nossa Senhora das Dores e recorda as sete dores de Maria, os sete momentos em que ela mais padeceu.

  1. A profecia de Simeão
  2. A fuga para o Egito
  3. A perda de Jesus no Templo
  4. Jesus carregando a Cruz
  5. O encontro no caminho do Calvário
  6. A crucifixão de Jesus
  7. A descida da Cruz e o sepultamento de Jesus

A primeira dor de Nossa Senhora é a profecia de Simeão: “Uma espada de dor trespassará a tua alma” (Lc 1,35). Esta espada penetrou no coração de Maria, até unir ela à grande Vítima do Calvário e a tornando co-redentora da raça humana. 

Reze o Terço! Alcance a paz! Clique e veja como receber em sua casa.

De pé, Junto a Cruz, estava Maria!

A multidão deixando o Calvário, permitiu às santas mulheres se aproximarem do Crucificado. Maria Santíssima. Mãe dolorosa, estava em seu lugar de honra e de co-redentora, ao lado de seu amado Jesus, enquanto Maria Madalena, ajoelhada ao pé da Cruz, misturava as suas lágrimas ao sangue redentor. Jesus viu a sua Mãe e reconheceu em sua voz, toda a ternura de seu Coração. É possível imaginar este diálogo.

– Meu Filho querido! exclama a pobre Mãe.

– Mulher – responde o divino Crucificado – ó mulher bendita entre todas as mulheres, vós que sois cheia de graça e partilhais todas as minhas dores, é a hora da separação; prometi não deixar os meus filhos na orfandade, sereis a Mãe de todos eles, representados aqui na terra, na pessoa de João : Mulher, eis aí vosso filho. Depois, voltando os olhos para João, Ele completa as suas palavras: Eis aqui a vossa Mãe.

Exprimir o quanto estas palavras do Filho moribundo penetram profundamente no Coração da Mãe é impossível. Quem as pronuncia é Deus, e por isso, tais palavras possuem um efeito maravilhoso, sobretudo no Coração de Maria. Foi assim que nos tornamos seus verdadeiros filhos. Da mesma maneira que a maternidade da Virgem, não tem exemplo na terra, assim também a regra de seu amor para conosco não pode encontrar-se senão no próprio Deus.

Para mostrar que Maria é bem nossa Mãe, Jesus lhe chama de “mulher”, isto é a Mulher bendita, a mulher que esmaga a serpente, a mulher que deve ser a Mãe espiritual de todos os homens. Jesus deu tudo. tudo até sua própria Mãe, e despoja-se até da consolação de chamá-la: minha Mãe, para ela ser inteiramente a Mãe dos homens.

Conclusão

Em suma, as dores de Maria Santíssima são verdadeiramente imensas pela medida e pelo número, a ponto de ultrapassarem o que as forças humanas podem suportar. Inegavelmente, é opinião unânime dos autores, apoiada sobre as revelações dos Santos, que só por milagre, Maria conservava a vida sob a pressão destes sofrimentos. Sem um auxílio especial de Deus, sua alma se teria separado do corpo.

Como a Igreja tem razão de colocar nos lábios da Virgem dolorosa este texto do profeta: “Ó vós que passais pelo caminho, parai e vede se há dor semelhante a minha dor”. Saibamos, portanto, compadecer-nos das dores da Virgem Dolorosa.


Oração a Nossa Senhora das Dores

Você está passando por algum sofrimento? Reze esta bela oração.

Nossa Senhora das Dores, eu te apresento todas as minhas necessidades, mágoas, tristezas, misérias e sofrimentos. Ó Mãe das dores e rainha dos mártires, que tanto sofreste ao ver teu Filho flagelado, escarnecido e morto para me salvar, acolhe minhas preces. Mãe amável, concede-me uma verdadeira contrição dos meus pecados e uma sincera mudança de vida.

Nossa Senhora das Dores, que estiveste presente no calvário de Nosso Senhor Jesus Cristo, fica também presente nos meus calvários. Eu te suplico esta graça de que tanto necessito: (Pedir a graça)

Mãe das dores, envolve-me em teu sagrado manto e ajuda-me a passar pelo vale de lágrimas. 

Salve Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve! A vós bradamos os degredados filhos de Eva. A vós suspiramos, gemendo e chorando, neste vale de lágrimas. Eia pois, advogada nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro mostrai-nos Jesus, bendito fruto de Vosso ventre, ó clemente, ó piedosa, ó doce sempre Virgem Maria. Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Permanece conosco e dá-nos o teu auxílio, para que possamos converter as lutas em vitórias, e as dores em alegrias. Roga por nós, ó Mãe, porque não és apenas a Mãe das dores, mas também a Senhora de todas as graças.

Amém.