Imagine que alguém lhe dissesse: – “O rei virá amanhã a tua casa e o que você pedir Ele concederá!” Acho que eu não almoçaria de tanta alegria e preocupação, nem dormiria durante toda a noite, pensando: “O rei virá a minha casa, como vou recebe-lo? ”

Quem poderia lhe dizer com que tempero você deveria preparar o banquete para o Rei? Como fazer?

Leitor, Deus quer ir até você e traz um reino de paz, como já prometeu. Bendita seja a sua misericórdia e glorificado o seu santo nome!

Pois bem, o Rei é Deus, e sendo ele o próprio Deus é Aquele a quem ofendemos com nossos pecados. Então é um privilégio e lucro para alguém dar hospedagem e Ele que está pedindo um abrigo. Será que alguém seria tão ingrato a ponto de desprezá-lo?

E o que pensaria se soubesse que Deus está próximo à porta do seu coração? Pensa que está longe? Não! Ele está batendo à porta.

>>> Estamos preparando importantes projetos de evangelização e de caridade! Ajude-nos a realizá-los! <<<

 

Deus está batendo à minha porta

Você poderia me dizer – “Oh, padre! Não é possível que Ele esteja tão perto como dizeis, porque cometi tal e tal pecado e o expulsei para muito longe de mim, e com certeza está muito magoado comigo”.

Eis que estou à porta e bato, diz o Senhor. Se alguém me abrir a porta, entrarei (cf. Apoc 3,20). Por acado pensa o leitor que Deus é como nós que, se nos causam um pequeno aborrecimento ou nos perseguem, logo excluímos o próximo do nosso amor? Não podemos imaginar que, pelo fato de nós não perdoarmos, Deus também não perdoa!

Deus nos pede compaixão

Diz o pecador quando peca: – “Retirai-vos de mim, Senhor, porque não Vos amo!”. E Deus sai da casa, e se coloca junto da porta, e fica chamando: – “meu filho, minha filha, minha esposa, meu ministro, meu amigo, minha amiga, ficarei aqui até que, por compaixão, você venha a mim e me abra a porta”.

Não minto! Ele pede que, por compaixão, você abra a porta!

É espantoso que Deus nos peça abrigo “por compaixão” e nos diga:  – “Abra, porque não tenho para onde ir”. E quando um coração tocado por Ele toma consciência disso, não há nada que mais o cative de amores ou o derreta. E assim dizia Santo Agostinho: “Eu fugia de Ti, Senhor, e Tu corrias atrás de mim”.

>>> Este ano estamos tentando aumentar 25% o número de projetos de caridade em todo o Brasil. Ajude-nos a ajudar ainda mais! <<<

 

A porta não abre

Infelizmente, muitas vezes sentimos dificuldade em abrir a porta de nosso coração a Jesus! Mas tenhamos confiança e ouçamos a sua voz que nos diz: “Meu filho, minha filha, eu morri por você e, para que você tivesse tranquilidade de espirito, passei por muitos sofrimentos”.

Neste Advento, reservemos algum tempo para fazermos um bom exame de consciência, preparativo para uma purificadora confissão sacramental. Esta é certamente uma das melhores formas de abrirmos nosso coração ao Menino Jesus que nascerá no Natal!

Tenho certeza que o sorriso que o Menino Jesus dará ao entrar em nossas almas será nossa maior alegria!

Obras consultadas:

O Mistério do Natal – São João de Ávila, Editora Quadrante, São Paulo, 1998

Pe. Thiago Maria Cristini, C. SS. R., “Meditações para todos os dias do ano tiradas das obras de Santo Afonso Maria de Ligório, Bispo e Doutor da Igreja”, Herder e Cia., tomo I, págs. 53 – 55, Friburgo em Brisgau, Alemanha, 1921.