Santa Edwiges, padroeira dos endividados

O dia 16 de outubro é marcado pela memória de Santa Edwiges, Rainha da Polônia, duquesa da Silésia, e religiosa. Mas o povo a venera com um título todo especial, a “Padroeira dos endividados”

Receba em casa o Santo Terço! Clique aqui e peça.

Vida

Santa Edwiges nasceu na Baviera, sul da Alemanha, no ano de 1174. De família nobre, desde cedo mostrou sinais de profunda religiosidade e desapego dos bens materiais. 

Ainda muito jovem, casou-se com Henrique I, duque da Silésia, na atual Polônia. Com ele teve sete filhos. O casal fundou diversos mosteiros e conventos, entre eles o de Trebnitz, no qual sua filha Gertrudes tornou-se mais tarde abadessa. Por esta razão, algumas imagens da santa a representam segurando nas mãos uma igreja, símbolo dos conventos que edificou.

Henrique I construiu o Hospital da Santa Cruz em Breslau, e Santa Edwiges um segundo hospital, em Neumarkt, este especialmente dedicado aos leprosos. Ali, ela, pessoalmente, assistia aos doentes.

A santa viu seis de seus sete filhos morrerem, além de seu esposo que, após um período encarcerado como prisioneiro de guerra, contraiu uma grave doença. Muitas freiras choraram a viuvez de Santa Edwiges, mas ela respondeu: “Por que se queixam da vontade de Deus? Nossas vidas estão em suas mãos e tudo que Ele faz é bem feito.”

Após a morte do marido, tomou o hábito religioso e mudou-se para o convento de Trebnitz, mas continuou sua ação de caridade para todos os que necessitavam.

Morte

Santa Edwiges era profundamente devota de Nossa Senhora. Sempre carregava consigo uma pequena imagem da Virgem Maria em suas mãos. Quando faleceu, no dia 15 de outubro de 1243, tentaram em vão tirar a imagem de suas mãos e por isso foi sepultada com ela.

As irmãs que prepararam o corpo da Santa deixaram para a história o registro de que, os lábios frios e azulados de repente tomaram um tom róseo vivo, começaram a brilhar com uma luz celeste e um perfume emanava deles.

Anos mais tarde, quando seu corpo foi trasladado, constataram que os dedos que seguravam a pequena imagem estavam incorruptos.

Receba em casa o Santo Terço! Clique aqui e peça.

As ressureições

Todo o povo a tinha como santa. Certa vez um homem foi condenado à forca por ter cometido um roubo, os parentes do condenado foram recorrer à santa que pediu ao seu marido pelo ladrão. O Duque respondeu que talvez o homem já tivesse sido morto, mas que se ele estivesse vivo seria perdoado.

Santa Edwiges imediatamente ordenou a um soldado saísse rapidamente pois aquele homem não morreria. Enquanto a santa rezava, o soldado chegou no local, mas encontrou o homem pendurado, já sem vida, na forca. Ele, confiando nas palavras da santa, tirou a espada cortou a corda e o homem ressuscitou. O oficial disse a ele: “Graças a nossa santa senhora você foi perdoado”.

Em outra ocasião, um inimigo de Henrique, homem desonesto e de péssima reputação foi preso e condenado à forca. Para que Edwiges não soubesse da condenação, o duque mandou que o prisioneiro fosse executado na mesma madrugada.

Receba em casa o Santo Terço! Clique aqui e peça.

Naquela noite Santa Edwiges havia feito vigília de orações na igreja e, quando já amanhecia, enquanto voltava para casa, ela ficou sabendo da morte do condenado. Ela pediu ao esposo que perdoasse aquele homem e o duque, com a certeza de que ele já estava morto a várias horas, consentiu no pedido da esposa. No mesmo instante, o homem já morto há horas recobrou a vida. A partir de então o duque ordenou que fossem libertados todos os prisioneiros pelos quais a santa esposa pedisse.

Dentre os numerosos milagres ocorridos após Santa Edwiges partir desta vida, há o caso do filho do soldado Vitoslau Boresh que tinha sete anos de idade e adoeceu gravemente.

A criança não conseguia respirar e estava morrendo. O soldado que serviu à Santa Edwiges pediu nos seguintes termos: “Minha senhora eu a servi durante a sua vida e peço sua intercessão para que meu filho não morra”. Assim que terminou esta prece o menino voltou a respirar e falar e desapareceram os sinais de morte, o fato foi narrado no processo de beatificação da Santa e atestado por testemunhas.

Por que ela é a Padroeira dos Endividados?

Muitas imagens da Santa a representam segurando uma coroa nas mãos sobre um livro. O livro representa a sua formação religiosa que ela transmitiu para a família e todos que a conheceram.

A coroa é símbolo de seu título de nobreza, mas também nos recorda que, ao herdar uma grande fortuna ela procurou praticar a caridade. Podemos dizer que, quando a nobreza é apoiada pela fé, temos uma vida de virtude e santidade.

Durante sua vida, Santa Edwiges visitava frequentemente as prisões do reino para confortar os prisioneiros. Foi quando percebeu que a maioria dos que estava ali, não haviam cometido graves crimes, mas eram devedores que não conseguiam pagar suas dívidas, e por isso estavam presos.

A partir daí, a santa rainha da Polônia procurava auxiliar estes presos, pagando suas dívidas com seu próprio dinheiro. Desde então, ela recebeu o título, ainda em vida, de Padroeira dos Endividados. Pagava as dívidas, libertava os prisioneiros e lhe conseguia um emprego para aquela pessoa. Deste modo, ela auxiliava o endividado e sua família até então desestruturada.

Oração a Santa Edwiges

Ó Santa Edwiges, Vós que na Terra fostes o amparo dos pobres, o auxílio dos desvalidos e o socorro dos endividados, no Céu agora desfrutais do eterno prêmio da caridade que em vida praticastes, suplicante Te peço que sejais a minha advogada, para que eu obtenha de Deus o auxílio que urgentemente preciso (pedir a graça).

Santa Edwiges, protetora dos endividados, aumentai minha confiança na providência divina para que não falte o pão de cada dia, e que no final do mês não falte o necessário, para que eu possa dar aos meus familiares saúde, educação e dignidade na moradia.

Santa Edwiges intercedei por mim para que eu consiga o equilíbrio na vida financeira e o discernimento nos negócios. Ajudai-me a superar os problemas financeiros, que eu não me iluda com o dinheiro fácil, que eu não seja conivente com a corrupção, propina.

Alcançai-me também, Santa Edwiges, a suprema graça da salvação eterna.

Santa Edwiges, rogai por nós!

(fonte: ACIdigital.com)

Ouça este arqtigo